Previna-se, cuide-se, apesar de toda correria que a vida moderna nos impõe, tire um tempo para o seu bem mais precioso: o nosso corpo.

Neste mês de Novembro, temos duas datas específicas que nos alertam sobre a necessidade imperativa de prevenção e combate ao câncer, sendo elas: dia 23 – Dia Nacional de Combate ao Câncer Infanto-Juvenil e, no dia 27 – Dia Nacional de Combate ao Câncer. Mais ainda, todo o mês de Novembro reforça a já famosa campanha: Novembro Azul, um importante movimento que ocorre mundialmente para reforçar, junto à população masculina, a importância da prevenção através do diagnóstico precoce do câncer de próstata.

Um dado alarmante, e que muito me chamou a atenção enquanto escrevia este artigo, é que, segundo o INCA – Instituto Nacional do Câncer, foi o registro da ocorrência, no Brasil, no ano de 2018 mais de 1 milhão e duzentos mil novos casos de câncer em todo país, sendo grande que, desse número, 10% são de câncer de mama e aproximadamente 20 mil casos são de câncer no aparelho intestinal de mulheres. Os homens, em 2018, foram afetados pela doença principalmente na próstata (cerca de 70 mil casos) e no pulmão. O que têm preocupado especialistas e estudiosos neste assunto de saúde pública, é que o número não para de crescer ano após ano, com projeção para 2030, os de casos da doença podem dobrar.

As causas para o surgimento e desenvolvimento da doença são as mais variadas: as primeiras, sem nenhum tipo possível de impedimento, que são por alterações genéticas ou mutações celulares. Em segundo plano, mas de igual importância, estão as causas que podem ser detectadas e combatidas, originadas principalmente do tabagismo, da obesidade, da má alimentação e do sedentarismo, fatos que estão a obrigar as pessoas a buscar, por si só, as medidas de prevenção através da melhoria de sua qualidade de vida,
exercícios físicos e da alimentação balanceada.

Adicionalmente, aliado a tudo isso, se faz necessária, a ação eficiente e eficaz de um sistema gestor de saúde que funcione e que seja preventivo, e porque digo isso? Estamos falando aqui de uma doença impiedosa na maioria dos casos e, quem sofre ou sofreu com isso dentro de seu lar sabe seus efeitos devastadores. Nosso sistema de saúde precisa funcionar e ser preventivo para que tenhamos um acompanhamento, e quando descoberto no início a chance de cura é bem maior. Depois diagnosticada a doença, se com a antecipação devida, se faz necessária a ação do sistema público de saúde, logisticamente sistematizado, de um poder público resolutivo e que atenda com competência, as demandas a serem exigidas dos pacientes, direta ou indiretamente. Nisso se resume o que acreditamos e por que devemos batalhar, em benefícios dos cidadãos!

A reflexão que fica para nós poderia ser dita com apenas uma palavra: prevenção. Previna-se, cuide-se, apesar de toda correria que a vida moderna nos impõe, tire um tempo para o seu bem mais precioso: o nosso corpo.

* O autor é Cientista Político, Cientista Social e Antropólogo pela UFSCar – Universidade Federal de São Carlos. Graduando em História pela UNIP – Universidade Paulista, Assessor Parlamentar e apaixonado pela vida. É colunista dos sites: São Carlos Agora, Sucesso São Carlos, Região em Destake, São Carlos Dia e Noite e da Revista Ponto Jovem.